Select Page

[cycloneslider id="bem-vindo-ao-sitio-da-causa-real"]

Bem-vindo ao sítio da Causa Real

Seja bem-vindo ao sítio da Causa Real, órgão monárquico de âmbito nacional. Este é um espaço ao serviço de todos os que simpatizam ou defendem a Monarquia para Portugal. Aqui pode encontrar toda a informação actualizada sobre as nossas actividades e as nossas ideias e propostas para Portugal.
mais

Apresentação da Causa Real

A Causa Real é uma associação de direito civil, dotada de personalidade e capacidade jurídica e tem por missão a defesa do ideal monárquico, da Instituição Real e no limite a Restauração da Monarquia em Portugal, reconhecendo que os direitos dinásticos da Coroa Portuguesa pertencem à pessoa de Sua Alteza Real O Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança, e a quem legitimamente lhe venha a suceder como Chefe da Casa Real.
mais

Génese da Causa Real

A Causa Real tem a sua génese em 1911, como organização política de apoio a Dom Manuel II, com estatutos escritos pelo próprio soberano e a partir de 1932 continuou como órgão político de Sua Alteza Real o Senhor Dom Duarte Nuno, Duque de Bragança, aclamado sucessor do último rei reinante.
mais

Apoie a Causa Real

O seu donativo ajudar-nos-á a concretizar os nossos projectos e divulgar a Causa monárquica, ajudar-nos a construir um Portugal com mais futuro e mais esperança.
Saiba Como

A Causa Real coordena, a nível nacional, o movimento monárquico, tendo como objectivo principal a promoção de uma alternativa política para Portugal.


Últimas Notícias

A Causa Real em constante actualização

 

Últimas Notícias

XXIV Congresso da Causa Real

Já e conhecido o Programa do XXIV Congresso da Causa Real, a realizar nos dias 27 e 28 de Outubro em Rio Maior.

Sendo um congresso electivo, a ordem de trabalhos dos dois dias estará centrada nos assuntos do movimento monárquico.

No dia 27 realiza-se um jantar na Quinta das Acácias com a presença de Suas Altezas Reais, os Duques de Bragança. O jantar, bem como o almoço de dia 28 no restaurante Salarium, são actividades abertas a amigos e simpatizantes.

Informações e inscrições através do e-mail realribatejo.pt@gmail.com.

Incêndios ll Comunicado de S. A. R. o Senhor Dom Duarte

É com grande tristeza que mais uma vez os portugueses assistem ao flagelo dos fogos durante os meses de Verão. Mais uma vez as populações sofrem fisicamente e economicamente as consequências de fogos que são cada vez mais frequentes e de maior intensidade no nosso país.

Este ano tem sido a Serra de Monchique, que está a arder há vários dias, criando um rastro de destruição e desespero nas populações que aí vivem, às quais gostaria de transmitir a minha solidariedade e da minha família.

Não é compreensível que apenas um ano depois da tragédia de Pedrógão a situação se mantenha e que as populações do interior do país continuem desprotegidas. Passou apenas um ano de uma tragédia que matou muitos portugueses e causou grandes perdas económicas e um desastre ambiental.

Os nossos governantes prometeram preparação, mas o que temos vindo a assistir são sistemáticas situações de descoordenação de entidades com responsabilidades na protecção. Depois da repetição de uma situação com esta gravidade, é importante retirar as devidas consequências – políticas e operacionais. É o que os portugueses esperam e merecem depois de uma situação desta gravidade.

É definitivamente necessária uma séria reorganização do espaço florestal que reduza a probabilidade e gravidade deste tipo de situações. Essa reorganização deve partir do Estado e não dos particulares, que em geral não têm capacidade económica para fazer face ao que é necessário. Aliás, no ano passado, um dos piores incêndios aconteceu numa mata propriedade do Estado, o Pinhal d’El-Rei, plantada há sete séculos na região de Leiria.

Quanto aos meios aéreos e terrestres disponíveis, estão longe de ser os mais adequados, segundo as opiniões dos especialistas nacionais e estrangeiros. Não faz sentido por em risco as vidas de quantos combatem no terreno, e não lhes dar as armas necessárias!

Apelo também a uma mobilização dos jovens, que devem ser sensibilizados para esta grave questão e que poderiam dar o seu contributo. Na ausência do serviço militar obrigatório, os jovens deveriam ser incentivados para uma maior participação cívica sendo preparados para ajudar os que combatem estas catástrofes, e outras que poderão acontecer. A generosidade e coragem dos jovens levá-los-á a participar com entusiasmo em iniciativas destas.

Considero a bem dos portugueses e de Portugal que esta situação seja definitivamente encarada como uma das prioridades do país.

D. Duarte, Duque de Bragança
Santar (Nelas), 9 de Agosto de 2018

XXIV Congresso da Causa Real

Já e conhecido o Programa do XXIV Congresso da Causa Real, a realizar nos dias 27 e 28 de Outubro em Rio Maior.

Sendo um congresso electivo, a ordem de trabalhos dos dois dias estará centrada nos assuntos do movimento monárquico.

No dia 27 realiza-se um jantar na Quinta das Acácias com a presença de Suas Altezas Reais, os Duques de Bragança. O jantar, bem como o almoço de dia 28 no restaurante Salarium, são actividades abertas a amigos e simpatizantes.

Informações e inscrições através do e-mail realribatejo.pt@gmail.com.

Incêndios ll Comunicado de S. A. R. o Senhor Dom Duarte

É com grande tristeza que mais uma vez os portugueses assistem ao flagelo dos fogos durante os meses de Verão. Mais uma vez as populações sofrem fisicamente e economicamente as consequências de fogos que são cada vez mais frequentes e de maior intensidade no nosso país.

Este ano tem sido a Serra de Monchique, que está a arder há vários dias, criando um rastro de destruição e desespero nas populações que aí vivem, às quais gostaria de transmitir a minha solidariedade e da minha família.

Não é compreensível que apenas um ano depois da tragédia de Pedrógão a situação se mantenha e que as populações do interior do país continuem desprotegidas. Passou apenas um ano de uma tragédia que matou muitos portugueses e causou grandes perdas económicas e um desastre ambiental.

Os nossos governantes prometeram preparação, mas o que temos vindo a assistir são sistemáticas situações de descoordenação de entidades com responsabilidades na protecção. Depois da repetição de uma situação com esta gravidade, é importante retirar as devidas consequências – políticas e operacionais. É o que os portugueses esperam e merecem depois de uma situação desta gravidade.

É definitivamente necessária uma séria reorganização do espaço florestal que reduza a probabilidade e gravidade deste tipo de situações. Essa reorganização deve partir do Estado e não dos particulares, que em geral não têm capacidade económica para fazer face ao que é necessário. Aliás, no ano passado, um dos piores incêndios aconteceu numa mata propriedade do Estado, o Pinhal d’El-Rei, plantada há sete séculos na região de Leiria.

Quanto aos meios aéreos e terrestres disponíveis, estão longe de ser os mais adequados, segundo as opiniões dos especialistas nacionais e estrangeiros. Não faz sentido por em risco as vidas de quantos combatem no terreno, e não lhes dar as armas necessárias!

Apelo também a uma mobilização dos jovens, que devem ser sensibilizados para esta grave questão e que poderiam dar o seu contributo. Na ausência do serviço militar obrigatório, os jovens deveriam ser incentivados para uma maior participação cívica sendo preparados para ajudar os que combatem estas catástrofes, e outras que poderão acontecer. A generosidade e coragem dos jovens levá-los-á a participar com entusiasmo em iniciativas destas.

Considero a bem dos portugueses e de Portugal que esta situação seja definitivamente encarada como uma das prioridades do país.

D. Duarte, Duque de Bragança
Santar (Nelas), 9 de Agosto de 2018

Left Menu Icon
Right Menu Icon